M32 Recovery Vehicle no Brasil

História e Desenvolvimento.

A Europa, na segunda metade da década de 1930, presenciou um forte programa de rearmamento da Alemanha, que apesar das limitações impostas pelo Tratado de Versalhes (assinado após o término da Primeira Guerra Mundial) avançava a largos passos. O governo alemão que era regido partido nacional socialista (Partido Nazista) e liderado pelo chanceler Adolf Hitler, começava a esboçar preocupantes ambições em termos de expansão territorial. O plano secreto de fortalecimento militar alemão, estava focado desenvolvimento de novos conceitos e doutrinas militares, em sincronia com o uso de novas tecnologias em equipamentos e armas destinadas ao combate terrestre com apoio aéreo (que viria a ser denominado posteriormente como Blitzkrieg). Este conceito apresentava como um dos principais pilares o desenvolvimento de carros de combate blindados, caracterizada pela combinação de velocidade, mobilidade, blindagem, controle de tiro e poder de fogo. Os novos tanques alemães foram criados para serem superiores aos seus pares disponíveis na época. Do outro lado do atlântico, estas ameaça não passava desapercebida aos olhos do Exército Americano (US Army), levando nesta mesma época a criação de um programa de estudos visando o desenvolvimento de blindados que pudessem a rivalizar com os novos carros de combate alemães, italianos e japoneses. Esta iniciativa previa a criação de uma variada gama de veículos, desde blindados sobre rodas, carros de combate leve e médios, visando assim proporcionar uma melhoria de sua capacidade ofensiva em confrontos terrestres, que neste período tinha como estio de sua força de carros de combate, o modelo M3 Stuart. Apesar de estarem em números satisfatórios este modelo despertava dúvidas quanto a sua efetividade contra estas novas ameaças, principalmente por dispor de um canhao de 37 mm como arma principal, calibre este inadequado em tese para enfrentar os carros blindados dos potenciais inimigos até então.

Este cenário se mostraria real com o eclodir da Segunda Guerra Mundial em setembro de 1939, quando o conceito da Blitzkrieg foi colocado em pratica contra a Polônia e durante a campanha da França, quando os novos carros blindados alemães dos modelos Panzer III e Panzer IV obtiveram esmagadoras vitorias em enfrentamentos com os melhores carros de combate franceses e ingleses disponíveis. Estes acontecimentos aumentariam o nível de preocupação de comando do Exército Americano (US Army) quanto ao tempo de implementação para o desenvolvimento do novo carro de combate. O programa em curso apresentava promissores perspectivas, porém ainda se encontrava no estágio final de desenvolvimento e não estava pronto para ser produzido em larga escala. Para atender o cronograma emergencial definido, optou-se por concentrar recursos no carro de combate M3 Lee que já se encontrava em produção desde o início do ano de 1940. Apesar desta plataforma atender a demanda básica no porte do canhão de 75 mm, o carro apresentava características negativas, como perfil elevado, baixa relação de peso e potência e pequeno deslocamento lateral do canhão (devido a arma estar instalada no chassi). Apesar destas ressalvas havia a necessidade emergencial de suprir as forças britânicas com carros de combate, levando ao fornecimento de centenas destes carros que passaram a ser empregados em combates no deserto africano nas primeiras fases da guerra. Em açao o M3 apresentou um pífio desempenho, fato este que repetiria quando empregado também pelo Exército Americano em confronto contra seus adversários alemães. A conclusão óbvia era a que este projeto deveria ser imediatamente substituído. Visando aproveitar ao máximo o ferramental e linhas de montagem em uso, a criação de um novo carro de combate herdava grande parte do design estrutural do M3, agregando um novo redesenho de casco e inclusão de uma torre giratória 360º para o canhão de 75mm, nascia assim o modelo M4 Sherman.
Em outubro de 1941 o protótipo do novo carro denominado como Medium Tank M4 deixava a linha de produção da fábrica da Baldwin Locomotive Co. na cidade da Filadélfia.  Como citado anteriormente este novo modelo herdava o mesmo chassi e a eficiente suspensão VVSS (Vertical Volute Spring Suspension) de seu antecessor. Como novidade principal passa a contar com uma torre giratória com acionamento elétrico ou hidráulico, armada com um canhão de 75mm, sua motorização consistia em um motor radial Wright Continental R975, a gasolina, com peso bruto de 30 ton. O projeto com um todo era pautado pela simplicidade, visando assim facilitar a produção em massa (com uma previsão de entrega de 2.000 unidades mês) no intuito de suportar a crescente demanda dos aliados.  A primeira versão a entrar em produção foi o M4A1, em fevereiro de 1942, seu chassi era uma única peça fundida e composta por bordas arredondadas, estava equipado com um motor Wright Continental R975 Whirlwind a gasolina. A produção em larga escala seria iniciada no mês seguinte, logo seria a vez M4A2 entrar na linha de montagem, sendo originalmente destinado ao Corpo de Fuzileiros Americano (USMC), pois estava dotado com o motor a diesel GM Twin 6-71 que empregava o mesmo combustível dos navios americanos facilitando assim a logística. A terceira versão M4A3 equipada com um motor a gasolina Ford GAA V-8 de 500 cv foi adotada pelo exército em virtude de sua maior potência. A versão original M-4 só estaria disponível em julho de 1942 e apesar de visualmente ser idêntico ao M4A1, deferia deste por não ter o chassi composto em uma peça só e sim por chapas retas soldadas, e as primeiras unidades produzidas apresentavam um sistema de blindagem frontal tripartida unida com parafusos como uma flange (herança direta do antigo M3 Lee).

O segundo semestre do ano de 1942 presenciou o recebimento no Exército Americano e Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha Americana em larga escala do novo tanque, substituindo assim os antigos modelos M3 Lee/Grant que até era o estio da força de blindados dos aliados. Visando a padronização da linha de suprimentos de peças de reposição, decidiu-se também desenvolver uma versão de viatura blindada especial de socorro que viesse a substituir os atuais M31(versão do socorro do M3) nesta função. A base para a concepção do novo veículo, se deu a partir do modelo M4A1 Sherman, que era facilmente reconhecido por dispor de escotilhas ovais menores para o motorista e seu auxiliar, empregava ainda o casco soldado em ângulo acentuado, não contemplando ainda as usuais blindagens extras externas. Os primeiros modelos começaram a ser entregues em meados de 1942, sendo montados a partir de carros já produzidos originalmente como carro de combate. Basicamente toda a estrutura dedicada as operações de socorro e manutenção foram incluídas sobre a base padrão das versões do M4 Sherman, infelizmente a necessidade em se entregar o máximo possível de carros de combate, limitou em muito o emprego imediato do M32 Recovery Vehicle nos teatros de operações europeu e asiático, tendo participado ativamente do conflito a partir dos desembarques aliados na Itália e na Normandia.
Um fato interessante a se estudar é que apenas 111 veículos foram produzidos nas linhas de produção especificamente como M32 Recovery Vehicle, sendo que grande maioria dos veículos existentes foi composta por unidades convertidas de carros prontos.  As versões subsequentes a inicial entregues em meados de 1942 foram desenvolvidas acompanhando a evolução da plataforma do M4 Sherman em suas versões melhoradas. A produção ou conversão ao todo até o final de 1944 atingiu atingido a ordem de 1.562 unidades dispostas nos seguintes modelos M32, M32B1, M32B2, M32B3. Nas etapas finais do conflito, a frota de M32 começou a ser recomplementada e substituída pelos novos M74 Recovery Vehicle, uma versão do carro se socorro baseada nos novos Sherman no M4A3E8, que ao serem equipados com o sistema de suspensão do tipo HVSS apresentavam um melhor desempenho. Ao final da Segunda Guerra Mundial os M32 remanescentes foram postos na reserva, sendo reativados para participarem da Guerra da Coréia. A partir de 1954 algumas nações alinhadas a política externa do governo norte americano a fim de prover suporte as frotas de carros de combate M4 Sherman em serviço.

Emprego no Brasil.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Brasil passou a ter uma posição estratégica tanto no fornecimento de matérias primas de primeira importância para o esforço de guerra aliado, quanto no estabelecimento de pontos estratégicos para montagem bases aéreas e operação de portos na região nordeste, isto se dava pois esta região representava para translado aéreo, o ponto mais próximo entre o continente americano e africano, assim a costa brasileira seria fundamental no envio de tropas, veículos, suprimentos e aeronaves para emprego no teatro europeu. Como contrapartida no intuito de se promover a modernização das Forças Armadas Brasileiras, que neste período estavam a beira da obsolescência em materiais, quando de doutrina militar (pois havia grande influência francesa no meio militar brasileiro pois por muitos anos o pais ainda era signatárias da doutrina militar francesa que fora desenvolvida durante a Primeira Guerra Mundial. Este processo de reequipamento teria início em meados de 1941 após a adesão do governo brasileiro do presidente Getúlio Vargas ao programa norte americano denominado Leand & Lease Bill Act (Lei de Arrendamentos e Empréstimos). Os termos garantidos por este acordo viriam a criar uma linha inicial de crédito ao país da ordem de cem milhões de dólares, para a aquisição de material bélico, proporcionando ao país acesso a modernos armamentos, aeronaves, veículos blindados e carros de combate. Estes materiais e equipamentos seriam vitais para que o país pudesse estar capacitado para fazer frente as ameaças do Eixo que se apresentavam no Atlântico Sul e no futuro front de batalha brasileiro nos campos da Itália.

Em termos de carros blindados o Exército Brasileiro receberia centenas de unidades divididos entre os modelos M3/A1Stuart, M3/A1 Lee e M4/A1 Sherman, totalizando 594 unidades, interessante notar que apesar do alto números de carros recebidos, os contratos de Leand & Lease Bill Act, não forneceram nenhum veículo blindado de socorro derivado dos três modelos em uso no Exército Brasileiro. E neste período as atividades de socorro a estes carros de combate, eram precariamente realizadas por veículos sobre rodas como os Diamond T 968 G-509 6×6 Wrecker., Chevrolet G-506 NM G-7117 com guincho, NK G-7113 trator e GMC CCKW-352 G-138 M-7 e tratores Minneapolis Moonline GTX-147 6X6. O cenário era complexo poia a falta de um veiculo blindado de socorro prejudicava em termos a operação das unidades dos Batalhões de Carros de Combate (BCC). No início da década de 1950 seriam recebidos mais seis carros M4 Sherman e logo após o término da Guerra da Coreia, mais 24 carros do modelo M4 Composite Hull, dos quais 22 vieram através dos termos de fornecimento do MAP (Military Assistance Program – Programa de Assistência Militar), juntamente com 50 motores e um grande lote de peças de reposição destinados  manter a frota em índices aceitáveis de disponibilidade operacional.
Dentro deste mesmo contrato de fornecimento nos termos do MAP, seriam cedidas duas unidades do modelo M32 Recovery Vehicle, destinados ao socorro de carros de combate no campo de batalha. Os veículos recebidos usados pelos Exército Brasileiro em meados de 1953 eram possivelmente das versões iniciais M32 ou M32B1 (inferência com base em registros fotográficos). Estava equipado com o suporte de reboque do tipo grua hidráulica com lança rebatível e capacidade de içamento e um guincho hidráulico com capacidade de 30 toneladas, suas dimensões eram de 5,9 metros de comprimento, adicionando mais 5,5 metros quando o guincho era usado para suspender veículos danificados, possuía uma largura de 2,7 metros e altura de 2,94 metros com um peso bruto de 29.200 kg. Seu conjunto motriz estava baseado em um motor raial Continental R975-C1 ou C4  com 9 cilindros a gasolina com potência de 350 ou 400 hp (261 or 298 kW) a 2,400 rpm (idêntico aos primeiros M4 Sherman recebidos na década de 1950 no Brasil) fazendo uso da suspensão do tipo Vertical Volute Spring Suspension (VVSS). Para sua autodefesa estava armado com uma metralhadora .50 montada na torre com 300 cartuchos e uma metralhadora coaxial calibre .30 com 9.000 cartuchos além de granadas fumigineas.

Este novo veiculo blindado passou a receber a designação no Exército Brasileiro de M32 VBE SOC (Viatura Blindada de Socorro) recebendo as matriculas EB13-115 e EB13-116 e registros não oficiais apontam que foram apelidados de Sansão e Dalila e foram usados em em conjunto com as unidades operadoras dos carros de combate M4 Sherman. São poucas as informações existentes sobre a operação deste veículo no Exército Brasileiro, principalmente quanto as unidades exatas que os operaram, existem narrativas e registros que em um dado momento os dois carros foram concentrados junto ao 1º Batalhão de Carros de Combate (BCC), baseado no Rio de Janeiro (RJ). Apesar de serem apenas dois carros, o Sherman M32 VBE SOC representou o primeiro modelo do tipo a ser operado no Brasil, contribuindo efetivamente para a criação da doutrina operacional de socorro em campo de carros de combate blindados sob esteira. Nos mesmos termos do programa MAP (Military Assistance Program – Programa de Assistência Militar), em meados da década de 1950 seriam recebidos três M74 Recovery Recovery Vehicle, que na mais era que uma evolução do M32, sendo baseado na plataforma do M4A38 Sherman com uso da suspensão do tipo HVSS. Estes novos carros matriculados como EB13-243, EB13-244 e EB13-245 foram operados pelo Regimento de Reconhecimento Mecanizado (R Rec Mec), baseado na cidade do Rio de Janeiro.
Os M32 VBE SOC se mantiveram em operação até o início da década de 1980, quando foram enfim substituídos por um lote de 17 veículos FMC M578 Recovery Vehicle, que foram recebidos anteriormente partir de 1971 juntamente com os lotes finais dos carros de combate médio M41 Walker Buldog. Atualmente, pelo menos um dos M32 VBE SOC (Viatura Blindada de Socorro) o “EB13-115 Quebra Galho” se encontra preservado e em condições de funcionamento junto ao 8º Batalhão Logístico, sediado na cidade de Porto Alegre no estado do Rio Grande do Sul.

Em Escala.

Para representarmos o M32 “EB 13-115”, fizemos uso do excelente kit da Italeri na escala 1/35, porém para se representar a versão brasileira, deve-se proceder a troca do casco pertencente a versão M4A1 presente no kit da Tamiya. Sendo necessário também realizar alterações nos pontos de fixação do guindaste, caixas de ferramentas e suporte do rádio presente na parte frontal do veículo. Empregamos decais confeccionados pela empresa Eletric Products pertencentes ao set “Exército Brasileiro 1942-1982".
O esquema de cores (FS) descrito abaixo representa o padrão de pintura empregados pelos veículos M32 VBE SOC em seu período de operação no Brasil e mantido até a atualidade na viatura preservada junto ao acerco do 8º Batalhão Logístico.


Bibliografia:

- M32 Recovery Veihcle -http://www.usarmymodels.com/AFV%20PHOTOS/M32%20TRV/M32%20TRV.html
- M4 Sherman  – Wikipedia - https://en.wikipedia.org/wiki/M4_Sherman ttps://en.wikipedia.org/wiki/Curtiss_JN-4
- M4 Sherman no Brasil – Helio Higuchi e Paulo R. Bastos Junior.